Incomplete *


«I've tried to go on like I never knew you
I'm awake but my world is half asleep
I pray for this heart to be unbroken
But without you all I'm going to be is incomplete» ♥

Que sonho *


Saudades. Foi aquilo q senti desde q te conheci :$
Tu mudaste'me, fizeste'me sentir coisas q nunca tinha sentido antes. Aquele primeiro olhar naquela noite ... :x Eu juro e digo q nunca senti tanta ansiedade, ou curiosidade, de conhecer alguém. Naquele primeiro momento só pensava em saber quem tu eras, q idade tinhas. Senti o meu coração bater fortemente. Não conseguia pensar em mais nada a não seres tu. Mal te vi, perguntei à minha prima quem tu eras, e se te conhecia, e sem mais nem menos, sem te conhecer, eu disse'lhe q estava apaixonada. Ela disse'me o teu nome, disse'me quem tu eras, e q andavas na mesma escola dela. Fui'me sentar com a minha prima ao pé dos nossos amigos. E eu sem conseguir tirar os olhos de ti. Tu foste'te sentar ao pé de nós. Eu senti uma felicidade enorme. Senti'me alegre e feliz. Os teus olhos tinham um brilho lindo e especial *-* Meteste conversa comigo. Trocámos olhares e não foi preciso muita para perceber q havia alguma coisa entre nós. Lembro'me q me trataste por "coisa", ahah, porque não sabia o meu nome :b Disse'te como me chamava e tu disseste'me o teu nome. Perguntaste se eu tinha facebook :p Para falarmos mais vezes e para nos conhecermos melhor. Mostraste'me ser um rapaz lindo e divertido :x Aquele teu jeito enfeitiçou'me ;$ Faltavam poucos dias para eu ir embora. Para voltar para Lisboa. Aí comecei a perceber q estar longe de ti ia ser difícil :x Pedi o teu número a uma amiga nossa e ela deu'mo. Dois ou três dias depois daquela noite, eu fui ao facebook e tinha lá uma mensagem tua. Fiquei super feliz por saber q também tinhas sentido alguma coisa por mim. Faltavam poucas horas para eu voltar a Lisboa. Tinha'te visto uma e apenas uma vez e não me tinha despedido de ti ... Na noite antes de me ir embora eu passei de carro por uma rua e vi'te *-* Estavas com o teu irmão a andar de skate :b Fiquei feliz, por te ver, mas por outro lado, fiquei triste, por saber q aquela era a última vez q te estava a ver :c O dia de regressar a Lisboa, chegou :c Foram três ou quatro horas de viagem e eu sempre a pensar em ti ...
Por fim, cheguei a Lisboa, cheguei a casa. Liguei o computador e entrei no facebook para ver as tuas mensagens. Tinha, tinha uma mensagem tua a perguntar se já me tinha ido embora, e eu respondi q sim :'c E q gostava de ter passado mais tempo contigo :x Os dias iam passando e nós íamos falando pela internet e por mensagens. Quando nos começámos a conhecer melhor, decidimos dar uma oportunidade a "nós", tentar uma relação à distância. Namorámos durante algum tempo. Uma relação à distância, mas perfeita :x *-* Mas apesar de tudo, não resultou ... Acabámos :c ... Continuámos amigos e continuámos a falar. Bem, mesmo depois de acabarmos, eu sentia a tua falta :c Entretanto, o tempo foi passando, fui conhecendo outras pessoas, outros rapazes. Aos poucos ia'te esquecendo. Voltei a apaixonar'me. Apaixonei'me por outros rapazes. Mas hoje, depois de muitas chatices, reviravoltas, e mudanças na minha vida, eu continuo a saber que tu foste (e secalhar ainda és) a minha maior paixão  Aquele rapaz q me fez acreditar e provar q o amor à primeira vista existe :$ Aquela pessoa q me fazia sentir especial e q à nossa volta tudo era perfeito. 
As saudades apertam, e eu sou sincera, eu sinto a tua falta :x
Somos amigos, e sim, podemos estar longe um do outro, mas oq sinto por ti faz'me sentir mais perto de ti doq se secalhar estivesse contigo. És dos meus importantes *-* Tu foste aquele rapaz q nunca me desiludiu, nunca me magoou. Depois de termos acabado, eu já tive outras relações, sim. Mas nenhuma foi igual à nossa. Já sofri e chorei por amor, já tive momentos bons e maus com outros rapazes. Cada vez q terminava uma relação, eu pensava em ti. Voltava tudo ao início. onde o "ponto de partida" eras tu :s
Agora estou confusa, nem sei no q pensar, sei q lá no fundo, bem lá no fundo, eu ainda te amo, mas a distância é grande e as saudades aumentam. 
Eu sei q o q aconteceu entre nós, não acabou :x Eu sei q o q existe ou existiu entre nós foi ou é verdadeiro $:

Sonho acabado*


Damos por nós a viver um sonho, onde tudo é perfeito e temos aquilo q desejamos. Onde tudo corre bem e problemas não existem. De repente acordamos e tudo o q era especial para nós, acabava. O q nos fazia felizes, mudava. Caímos na realidade, da pior maneira. Acordamos para a vida real e percebemos q afinal nada nem ninguém é perfeito, apenas existem pequenos sonhos q de repente podem acabar. Acontecem revoluções na nossa vida e paralisamos. Ficamos meio-acordados, meio-adormecidos. Sem objectivos nem metas. Ficamos em branco. Sem saber o q fazer nem como seguir em frente. Pensamos, tentamos mudar alguma coisa. O nosso pensamento está cheio, tentamos deixar o passado e viver o presente. Dizem'nos para esquecer, qd pensando bem, isso é impossível. Ultimamente a minha vida tem sido aquilo, aquele sonho. Se me pedirem para esquecer, certamente estarão a pedir para eu "apagar" toda a minha vida. Aquilo q me fazia acordar todos os dias com um sorriso. Tudo aquilo q tinha contruído. Qd os "sonhos" terminam, não encares isso como um fim, encara isso como um inicio. Um inicio de uma nova fase da nossa vida. Novos obstáculos e objectivos. Vive, e aproveita todos os momentos. Passado é passado, oq já passou já lá vai. Se olharmos para a frente, reparamos q temos muitas oportunidades á nossa espera (; 
Temos tempo! (:


«Sonhar é viver...
É deixar a vida acontecer.
O importante é fazer de cada minuto uma vitória,
Uma glória, Um sentimento...
Que se conquista a todo o momento.
Sonhar também é ficar feliz
Sonhar é encantar,
É saber esperar.
Porque todos nós sonhamos»

Espelho *


'Olhei para o espelho. Senti o bater do meu coração. Vi as lágrimas q caíam dos meus olhos a derramarem'se no meu corpo. Caía uma atrás da outra. As lágrimas desciam pelo meu rosto. E eu sentia a frieza do meu corpo. Sentia aquela angustia, sentia aquele medo. As lágrimas não paravam, descia uma atrás da outra, subitamente. Olhava para os meus lábios e estavam roxos, com frio. A minha cara estava pálida. O meu corpo estava sem forças, frio e muito fraco. Tentava levantar'me, e sair daquela cadeira em frente ao espelho. Mas a tristeza era maior q a vontade de me querer levantar e mudar a minha vida. Procurava um sorriso. Procurava um texto com felicidade. Estava tudo contra mim. Encontrava tudo menos felicidade. Encontrava fotografias velhas e antigas, a preto e branco, dos tempos de guerra e tristeza. Encontrava livros e textos tristes, de mentes fechadas e de vidas complicadas. Lembrava'me de olhar para a rua. Olhava lá para fora por uma pequena abertura nos estores. Lá fora estava frio. chovia. Não havia ninguém na rua. O céu, cinzento e carregado de chuva tapava o sol. Passavam'se horas, e eu ali, fechada naquele quarto. Voltava a sentar'me na cadeira em frente ao espelho. As lágrimas continuavam a cair. Os meus olhos estavam vermelhos e magoados de tanto chorar. A minha alma estava vazia. Ninguém me ouvia. Passavam'se dias e dias. Eu estava completamente pálida, sem reacção. Quase não me mexia. Até ao dia em q ouvi uma voz dentro de mim q me disse "Levanta'te, ergue a cabeça e segue em frente". Nesse dia, levantei'me. Abri os estores. Estava de noite. Procurei e encontrei uma estrela. Era brilhante. Bastante cintilante. Olhei para ela e senti energia, senti força e coragem para seguir em frente. (...)

corações*

« Há muitos tipos de corações. Há corações pequenos e tímidos, há corações
 grandes e abertos, há corações onde é preciso meter requerimentos de papel azul e selo de garantia para abrirem as portas e outros cheios de janelas, frescos e arejados. Há corações com trancas, segredos e sistema de alarme que são como cofres de bancos. Corações sombrios e desconfiados, com fechaduras secretas e portas falsas. Corações que parecem simples, mas quando se entra lá dentro, espera-nos o mais perverso dos labirintos. E há corações que são como jardins públicos, onde pessoas de todas as idades podem entrar e descansar. Há corações que são como casas antigas, cheios de mistérios e fantasmas, com jardins secretos e sótãos poeirentos, carregados de memórias e recordações e há corações simples e fáceis de conhecer, descontraídos e leves, sempre em férias como tendas de campismo. Há corações viajantes, temerários e corajosos, como barcos à vela que nos parecem bonitos ao longe, mas que nos deixam sempre na boca o sabor amargo de nunca os conseguirmos abarcar... Há corações missionários, despojados e enormes. Há corações que são paquetes de luxo, onde o requinte é a palavra-chave para baterem... Há corações que são como borboletas e voam de um lado para o outro sem parar, numa pressa ansiosa de viver tudo antes que a vida se acabe. Há corações que são como elefantes do zoo, muito grandes, pacíficos e passivos que aceitam viver limitados pelos outros e que até tocam o sino se os tratarmos bem e lhes dermos mimos e corações aventureiros, sempre prontos para partir em difíceis expedições e se ultrapassarem a si mesmos. Há corações rebeldes e selvagens que não suportam laços nem correntes, corações que correm tão depressa como chitas e matam como leoas, e depois há corações gnus, que sabem que vão ser caçados mas não fogem ao seu destino... Há corações que são como rosas, caprichosas e cheios de espinhos e outros que são campainhas, simplórios e carentes sempre a chamar por afecto. Há corações que são como girassóis, rodando as suas paixões ao sabor do brilho e da glória e corações como batata-doce, que só crescem e se alimentam se estiverem bem guardados e escondidos debaixo da terra. Há corações que são como pianos, altivos e majestosos onde só tocam os que possuem a arte de bem seduzir. E corações como harpas, onde uma simples festa provoca uma sinfonia. Há corações incondicionais que vivem tão maravilhados em descobrir a grandeza de outros corações que às vezes se esquecem de si próprios... Há corações estrategas, que batem ao ritmo de esquemas e planos, corações transgressores que vivem para amar clandestinamente e só sabem desejar o proibido e corações conservadores, que só se entregam quando tudo é de acordo com os seus padrões e valores. Há corações a motor, que vivem só para o trabalho e corações poetas só se alimentam de sonhos e ilusões. Há corações teatrais, para quem a vida é uma comédia ou uma tragédia e corações cinéfilos que registam a beleza de cada momento em frames de paixão. Há corações duros como aço, sem arritmias, onde nada risca e faz mossa e corações de plasticina que se moldam às formas dos corações que amam. Há corações de papel, bonitos e frágeis que se amachucam facilmente e desbotam à primeira lágrima, há corações de vidro que quando se estilhaçam nunca mais se recompõem e corações de porcelana que depois de se partirem ainda sabem colar os destroços e começar de novo. Há corações orientais, espiritualizados e serenos e corações ocidentais hedonistas e ambiciosos, corações britânicos onde tudo é meticulosamente arrumado segundo costumes e convenções, latinos que batem ao som da paixão e da loucura. Há corações de uma só porta que são como grandes casas de família e outros de duas portas, uma para a sociedade e outra para a intimidade. Há corações que são como conventos, silenciosos e enclausurados e outros que são como hotéis, onde se paga o amor sem amor, escandalosos e promiscuos. Há corações parasitas, que vivem do afecto dos outros sem nada dar e corações dadores que só são felizes na entrega. Mas há ainda uma ou outra espécie de corações, os corações hospedeiros que sabem receber e fazem sentir os outros corações como se estivessem em casa, que dão e aceitam amor sem se fixarem, que tratam cada passageiro como se fosse o último, enquanto procuram o coração gémeo, sempre na esperança, secreta e nunca perdida de um dia deixarem de viajar e sossegarem para a vida. »

viver

muitas vezes dou p mim a sobreviver em vez de viver, a deixar o tempo passar e não o aproveitar. depois chegamos a uma altura em q paramos, pensamos e damos conta q o tempo já passou, não podemos voltar atrás. chegamos a uma fase em q queremos recuperar certos momentos, vivê-los e aproveitá-los da forma q não aproveitámos. mas não dá. aí voltamos a pensar e reparamos q ao estar a pensar no passado não aproveitamos o presente e voltamos a deixar passar o tempo, não aproveitamos o presente nem construímos o futuro. voltamos a pensar, mais uma vez, nas hipóteses q temos. temos duas. a hipótese de continuar a 'sonhar' c o passado q não aproveitámos e q não podemos voltar lá ou então seguir em frente, esquecer todo o tempo perdido e aproveitar todos os dias, todos os minutos, todos os segundos da melhor maneira. viver é uma coisa rara; a maiorias das pessoas apenas existe. Vive! não podemos deixar para trás as oportunidades q a vida nos dá. porque um dia, olhamos para trás e reparamos q deitámos a perder um monte de oportunidades. 

« Estamos todos de parabéns
Pelo simples facto de estarmos vivos
É viver cada dia como se fosse o último
O amanhã não é certo
E pa morrer basta estar vivo
Hoje é uma dádiva, é por isso que se chama presente
Aproveita »
Moral da história: vive a vida, aproveita
Porque a vida dá voltas e não avisa com antecedência.

.talvez


"Um dia vais perceber que tudo acontece por uma razão; que há pessoas que te marcam pelo bem e outras que teimam em deixar contigo todas as más imagens que o passado deixou lá atrás. Um dia vais aceitar que o tempo é relativo, que as coisas não são eternas e que podem ter um fim; que não deves estar seguro dos outros e do que eles representam para ti porque o tempo não pára, nunca, só parece eterno, mas nada é eterno. E quando pensas em fazer balanços do que já foste e do que queres ser, chegas à conclusão que muita coisa mudou e nunca mais vais voltar aos mesmos sítios, às mesmas situações da mesma maneira. O tempo não parou e passou por ti. Um dia vais precisar de ir à luta, arriscar este mundo e outro por uma pessoa, por um objectivo, por um sonho; por ti. E vais perceber o que é chorar de raiva e de ódio porque o mundo não te foi entregue numa bandeja de prata mas depois vais perceber que o pior já passou! E vais seguir em frente. Um dia vais engolir as tuas derrotas, as tuas mágoas e vais querer alguém ao teu lado para poderes pedir um abraço sem te sentires a pessoa mais fraca do universo, vais gritar ao mundo que ele não é justo e que só agora te apercebeste que também não foste justo com ele. Só que as desculpas, às vezes, chegam tarde demais. Um dia vais ter que olhar para ti e ver o que foste, o que és e o que vais ser, não para fazeres mil planos, mas sim para ganhares consciência do que tens em ti. E o que vale ou não a pena. Um dia vais ser feliz, verdadeiramente feliz, porque te deixaste de histórias e de banalidades, e seguiste o teu rumo e um dia vais ter coragem e vais saber dizer adeus sem olhar para trás"


Paixões e amores ..

" Um dia, tu vais ter maturidade suficiente para entender muita coisa e, uma delas, é que não dá para colar tudo que se quebra. E, sobretudo, vais aprender a distinguir o que são paixões de amores. Paixões surgem e desaparecem tão rápido quanto aparecem. Amores, já não. Amor é uma palavra muito forte e eu explico-te porquê: muito dificilmente amas uma pessoa, muito dificilmente. Não basta querer, melhor dizendo, é algo que nunca se quer (...) quando amas alguém, esse alguém magoa-te com o mais mísero e simples acto ou gesto. E o que caracteriza o amor, é que ele cresce de uma amizade como tantas outras mas quando chega ao auge do seu crescimento, torna-se mortífero. Depois, e a pior parte, é quereres levar esse amor com o vento e nunca consegues e porquê ? Porque um amor nunca se esquece, simplesmente. "


Mais uma, não, não pode ser!
Mas sim, é.
Desde sempre foi ...
E vai continuar a ser ...
São 24 horas por dia, 7 dias por semana, 12 meses por ano.
Já chega! 
Estou F-A-R-T-A 
Não quero sentir mais pressão em mim. Estou farta de sentir isto ... Será q pedir q alguém me compreenda e me apoie, é pedir muito? Custa assim tanto q alguém me compreenda?! Eu só peço isto e não quero mais nada. Quantas vezes me perguntam em diversas situações, "és livre?", e eu fico a pensar para mim mesma na resposta. Eu não sou livre, liberdade é ser feliz e termos livres aquilo q precisamos, sendo responsáveis. Eu neste momento não tenho nem sinto isso. Sou responsável, só queria q me dessem oportunidades para mostrar isso. A minha vida neste momento não está preenchida ...
Só queria q me percebessem! 
Para quê? Para quê tentarem rebaixar-me? Para quê e porquê não me deixarem agarrar e aproveitar a minha vida? 
Ás vezes sinto-me bem, sinto-me feliz. Não na totalidade mas lá perto. Tenho amigos, verdadeiros. Chego a casa e tudo muda. Discussões, "guerras", chatices, mal-entendidos, não me compreendem nem tentam compreender. Rebaixam-me e não me apoiam, nem sequer sabem o q se passa à minha volta, não fazem o mínimo dos mínimos para perceber. A culpada sou eu, eu éq pioro, eu éq respondo, eu éq faço porcaria. Depois ... depois parece q está tudo contra mim, as notas baixam? Não, alguém as baixa. Alguém percebe ou tenta perceber isso? Não, eu éq não ando empenhada o suficiente. O meu comportamento agravasse? Não, metem isso na cabeça dos outros. Alguém tenta perceber essa "descida"? Não. Porquê? Para os outros eu éq me estou a tornar uma influencia menos boa ... Eu éq fico mal na história. Pois ... Dizem q é a vida, e q não é igual para todos. 
»Aproveita cada dia como se fosse o último, porque a vida não dura para sempre. Aproveita a vida até ao ultimo momento e não a desperdices»
Era só isto q eu queria, e q, no q depende de mim, isso acontecia, se me dessem alguma liberdade em certas coisas ...